web analytics
Início / Conteúdo / Quando o preço da gasolina cai, a poluição do ar sobe

Quando o preço da gasolina cai, a poluição do ar sobe

São Paulo. A cidade latina com maior número de milionários (Foto: Getty Images)

Um estudo publicado na revista Nature nesta segunda-feira (17) conseguiu, pela primeira vez, relacionar o movimento de preço dos combustíveis com a concentração de um tipo de poluente no ar em São Paulo. O estudo mostra que, quando os motoristas que usam carros flex passaram a optar pelo etanol, por causa do preço, caiu a poluição de um tipo específico de partícula prejudicial à saúde humana.

>> As dez cidades com o ar mais poluído do mundo

>> Como é o ar que você respira?

O estudo mediu a poluição do ar em São Paulo entre 2008 e 2013. Nesse período, ocorreram dois movimentos diferentes no mercado automotivo. Primeiro, houve uma explosão de venda de carros flex – que podem usar tanto gasolina quanto etanol. O preço do etanol caiu em relação à gasolina, e uma grande parte da frota passou a ser movida a etanol. No segundo momento, o preço do etanol subiu em relação à gasolina, fazendo com que fosse mais vantajoso para motoristas evitarem o etanol. Essas mudanças transformaram São Paulo em um laboratório em tempo real, permitindo aos pesquisadores medirem as mudanças na concentração de poluentes de acordo com a movimentação dos preços.

A pesquisa analisou vários tipos de poluentes. Em muitos deles não encontrou mudança significativa. Mas quando analisou especificamente partículas ultrafinas, encontrou um dado impressionante. Quando o preço da gasolina caiu em relação ao do etanol – isto é, quando o etanol ficou mais caro –, a concentração dessas partículas subiu. O período de maior uso da gasolina representou um aumento de 30% nos níveis de nanopartículas de poluição.

Segundo o pesquisador da Universidade de São Paulo (USP) Paulo Artaxo, um dos autores do estudo, as nanopartículas são perigosas para a saúde. “Essas partículas são tão pequenas que se comportam como gases. Elas vão direto para o sangue. Pessoas que estão expostas a elas ficam mais sujeitas a desenvolver doenças respiratórias e cardiovasculares”, diz. Esse tipo de poluição ainda não é regulado pelas autoridades – só muito recentemente foi desenvolvida tecnologia para detectar partículas tão pequenas.

>> Câmara quer liberar carro a diesel no Brasil. Prepare os pulmões

Apesar de o estudo mostrar uma vantagem importante do etanol em relação à gasolina, Artaxo explica que a comparação entre os dois combustíveis não é tão simples. “Do ponto de vista das nanopartículas, vale a pena trocar a gasolina pelo etanol. Do ponto de vista dos gases de efeito estufa, também. Mas tudo na vida tem dois lados. A queima de etanol emite aldeídos que também têm forte efeito na saúde. Qual é o melhor ou pior? Não sabemos ainda, precisamos de mais estudos”, diz.

A pesquisa, entretanto, mostra que São Paulo precisa urgentemente tentar resolver o problema da poluição atmosférica. Hoje, 90% dessa poluição é causada por uma única fonte: o setor de transportes. A adoção de políticas para enfrentar o problema, como reativar a inspeção veícular e incentivar carros elétricos e híbridos, pode melhorar as condições do ar respirado por 20 milhões de pessoas.


Source link